sábado, 21 de fevereiro de 2009

Assim sou eu (Érica)

Frida Kahlo - A coluna partida - 1943

Quero ser livre e livremente viver
Quê me importa o que os outros vão dizer?

Se eu tenho a certeza do que faço
Por quê sofrer dos outros o descaso?

Todo mundo fala pelos cotovelos
Sem se preocupar com desvelos

Se eu der ouvido ao que de mim comentam
Termino por acreditar no que inventam

Por isso vivo como quero, falo o que penso e faço o que sinto
Se não gosto de você, digo na cara, não finjo, não minto

Se por alguém tenho amor, admiração, afeto ou simpatia
Dedico-lhe minha alma, meu carinho, meu tempo e cortesia

Mas se ao contrario, sua presença me entedia
Não lhe dedico nem um instante de meu dia

Dizem que sou grossa e insensível
Que alguns para mim são invisíveis

Não digo que lhes faltem a razão
Mas a quem quero cuido com paixão

Amo aos pobres que não conheço
E a esses sempre ajudo com apreço

Divido meu pão com o mendigo
Defendo os mais fracos com afinco

Mas olho com desprezo os que se acham
Os que têm duas medidas e dois pesos

Que são injustos, arrogantes ou maltratam
As mulheres, as crianças e os indefesos

Não calo minha boca ante a injustiça
Não tolero o preconceito e os maus tratos


Por isso me apontam, me perseguem e me criticam
Pensando que dessa forma me atingem

Mas eu digo bem alto, para quem quiser ouvir
Que não deixo de ser assim enquanto eu existir.

10 comentários:

Noivo disse...

será que sou bem vindo por aqui?:)
A retribuir a visita e as palavras agradáveis!:)

Cotovia disse...

...cada ser humano é uma ilha e deve de ser feliz nela.

Pedro disse...

Muchas gracias por tus palabras en mi blog, son todo un halago.

Un beso.

DESIRE disse...

E eu espero que continue assim: autêntica!
Beijos prometidos

Me permita disse...

Oi, amiguinha! Passei por aqui pra retribuira visita e gostei do que vi! Belo blog! Importantíssima causa! Vou estar ausente por alguns dias... Em breve volto por aqui! Bjs!!

O Profeta disse...

Mudei os meus mais profundos desejos
Vi reflectida em ti a ternura
Não há derrota no sonho
Não há revolta, apenas brandura

O julgamento dos teus fracassos
É feito numa lagoa sem azul
Um milhafre lança um pio de raiva
Que atinge o branco das casas do sul


Boa semana


Mágico beijo

Metamorfose disse...

Minha amiga, coragem, determinação e amor não te faltam. Desejo que continues a viver com essa escolha.

Beijo

Maria Cristina disse...

lindo venir a leer tus poesias, me encato tu blog, volvere y desde hoy te seguire

O Profeta disse...

És madeira verde
Ou apenas mulher perdida
Testemunha de berço feito de penas
Arca perdida da dor contida

Tudo isto é universo
Em límpida poça de água
Onde as conchas têm a forma de coração
Onde o sal afasta a mágoa

A ti que és minha amiga especial
convido-te a partilhar comigo o “sítio das conchas azuis”

Bom fim de semana


Beijo azul

Nanda disse...

Oi Érica, achei lindo seu poema,tomei a liberdade de colocar na minha página com seu link, ok?
abs,e parabéns pelo seu talento.
tb faço poesias, se quiser visitar minha página está em "meus devaneios'.
Fernanda.