terça-feira, 24 de março de 2009

DENUNCIE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

CLICK NA IMAGEM PARA LER O DOCUMENTO

2 comentários:

O Profeta disse...

A palavra é semente
Que floresce na luz de cada alma e enternece
Às vezes é doce veneno
Às vezes taça de cidra que o peito aquece

Ser Poeta é tanto, tão pouco
É transformar em crentes os ateus
É domar todas as tempestades da alma
É estar mais perto de Deus


Mágico beijo

Anônimo disse...

Érica,

Embora nós não nos conheçamos, eu gostaria de lhe pedir um conselho sobre um preconceito que venho vivenciando e com o qual não sei lidar. Estudo, em um famoso cursinho do país, e escuto, diariamente, piadas e colocações machistas, de alta carga depreciativa das mulheres. Inaceitável e vergonhosamente, os seus autores são os próprios professores, ou seja, aqueles que deveriam ser os exemplos de conduta. Hoje, por exemplo, o de Matemática disse que todos os neurônios de uma mulher vão embora, na gravidez, pelo cordão umbilical. O de Geografia, por sua vez, disse que as mulheres não passam nem na prova psicotécnica de carteira de motorista. Este mesmo professor, na aula sobre Japão, disse que, durante a II Guerra, a maioria da população masculina morreu e a feminina deve ter subido pelas paredes. Ou seja, além de tudo, é racista! O que impressiona é a impassibilidade das meninas e, mais ainda, a idiotice de algumas destas, que riem, como se tudo fosse um belo elogio. E os aplausos dos meninos?! O que fazer, quando rapazes de 18 anos, futuros profissionais, formadores de uma sociedade que precisa melhorar, muito, chamam de "mestre!" um professor que acabou de humilhar as mulheres?! Eu estou me sentindo, profundamente, ofendida. Como posso aprender com pessoas, sem o mínimo de respeito às mulheres? Professores que, segundo ouço falar, boicotam a contratação de professoras, nesse cursinho, e saem com as alunas de 18 anos para, depois, conversarem sobre detalhes dessas aventuras sexuais. Como o mundo pode ser melhor, para nós, mulheres, se eles são os "mestres!" do ensino brasileiro?! Peço, encarecidamente, que me dê uma solução... Abraços.