terça-feira, 20 de outubro de 2009

Camisinha feminina com farpas é arma contra o abuso sexual

Altos índices de violência sexual da África do Sul levaram à criação da Rape-aXe, camisinha feminina com farpas que inibe a ação de estupradores. Com a Copa do Mundo de 2010, invenção volta a ficar em evidência

O número de estupros na África do Sul é tão alto que a sul-africana Sonette Ehlers desenvolveu um mecanismo de defesa para inibir a ação dos agressores: uma camisinha feminina especial chamada Rape-aXe.

Ehlers trabalha há anos com vítimas de abuso sexual. Certo dia, ouviu de uma dessas mulheres uma frase que não lhe saiu mais da cabeça: "Eu queria ter dentes lá embaixo".

Uma vagina que morde é uma ideia que sempre aterrorizou os homens. Bastou uma apresentação pública da invenção para reduzir a zero o número de estupros numa cidade.

"O diretor de polícia me disse: 'Sonette, depois da sua apresentação, passamos três meses sem registrar um estupro sequer. Os homens ficaram com medo de que você tivesse deixado algumas dessas camisinhas por aqui'", conta ela.

O medo dos homens tem fundamento. A possibilidade de cometer o estupro ainda existe, mas as consequências para o agressor são devastadoras. Na hora em que ele tentar tirar o pênis de dentro da vagina, centenas de farpas perfuram a pele.

Camisinha só pode ser retirada em cirurgia

"Rape-aXe é uma camisinha para mulheres que, depois de um estupro, se transforma numa camisinha para o homem. A camisinha é feita de látex e plástico, e as farpas são colocadas na parte interna de forma que o homem não consiga retirá-la sozinho", explica Ehlers.

"O homem deve procurar um hospital o mais rápido possível e retirá-la com um procedimento cirúrgico. A camisinha fica presa ao pênis, é tudo muito doloroso e ele não pode sequer urinar. Na clínica, o procedimento só pode ser realizado com anestesia local."

Isso não poderia ser considerado agressão física? – é a pergunta que as funcionárias da Terre des Femmes mais ouvem do público nas discussões promovidas na Alemanha.

A resposta da organização de defesa dos direitos da mulher é clara: é o homem quem agride a mulher, e a camisinha com farpas oferece proteção contra essa violência.
A Terre des Femmes apoia o Projeto Rape-aXe por entender que assim as mulheres podem se proteger e, principalmente, porque elas é que decidem quando usar a camisinha, diz Serap Altinisik, que também faz parte da organização.

"Consideramos muito importante que isso seja uma decisão própria. Simplesmente porque, do contrário, dirão: 'As mulheres já podem se proteger e não precisamos mais promover trabalhos de prevenção e esclarecimento'. E uma situação assim não é sustentável", comenta Altinisik.

"A camisinha é quase como uma ferramenta de autodefesa, como spray de pimenta, que se pode carregar consigo. Por isso achamos que ela pode ser usada por mulheres de todos os lugares", diz.

Preocupação com a Copa

A ideia é que a camisinha seja oferecida no mundo todo. O preservativo já está sendo produzido na Malásia. A distribuição será coordenada a partir da Alemanha. A meta é distribuir a Rape-aXe gratuitamente para mulheres em situação social vulnerável.
A administradora de empresas Tatiana Weintraub, da Terres des Femmes, está organizando os canais de distribuição e negocia subvenções com os governos de alguns países.

A demanda é enorme, diz ela. No caso da África do Sul, principalmente em função da Copa do Mundo.

"Nós recebemos diariamente cerca de cem e-mails de maridos e esposas que têm medo de viajarem para esse país por terem ouvido a respeito dos altos índices de estupro. Eles perguntam: 'Essa nova camisinha já está à venda? Podemos nos proteger?' Então é prioridade absoluta que, até a Copa, a camisinha já esteja no mercado na África do Sul".

Autora: Henriette Wrege (ff)
Revisão: Alexandre Schosslerevidência.

Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,4771122,00.html

13 comentários:

Vânia disse...

Olá!

Gostamos do seu post, e ele é um dos destaques de hoje aqui na home do Blogblogs.

Confira!

Abraços,

Equipe Blogblogs.

Ðяყåћ disse...

Extremamente interessante o post, não há mulher que já não tenha cogitado a hipótese desse fato monstruoso acontecer consigo e tremido ao perceber que está praticamente indefesa contra isso.
Vou ficar atenta para saber quando chegará ao Brasil.
Obrigada pela informação!

ellen disse...

uiiiii... ehehehe ainda não tinha este conhecimento. Foi bom tê-la conhecido porque já aumentei mais um pouco a minha cultura hoje :)

Obrigada pela sua visita no meu Blog e é bem vinda aquela casinha :)
eu voltarei também aqui com tempo...

Beijinho para si

Isa disse...

Obrigada pela sua visita.
Aproveitei passear um pouco pelo seu blog e achei muito interessante.
Voltarei,se Deus quiser,com mais tempo.
Abracinho.
isa.

Ana Martins disse...

Olá,
parabéns pelo post, muito esclarecedor e de extrema importância, desconhecia de todo esta camisinha que me parece um acessório de defesa fantástico.

Beijinhos,
Ana Martins

O Profeta disse...

Parei na viagem de rumo e estrelas
Sentei-me à beira de uma lagoa sussurrante
Um Milhafre fitou-me zombeteiro
Hesitei na procura do adiante

Na ilha há sempre uma criatura em vigília
Há sempre um feiticeiro vento
Há sempre uma flor que a alma seduz
Há sempre no acontece um mágico momento




Doce beijo

exoticlic.com disse...

carlho meu isso sim é uma coisa que jamais pensei em ver,
queria ver um pinto estraçalhado aí dentro, cara estrupador merece se foder e muito

Lou disse...

Oi Erica!

Obrigada pela visita, volte sempre mesmo!

Puxa, achei muito interessante essa camisinha, principalmente na Africa, onde os casos de estrupo são extremamente recorrentes.

Abraço!

Ju disse...

Muito Legal a idéia da camisinha. Espero que ela siga em frente e que muitas mulheres possam ser beneficiadas com ela.

Vida disse...

Porque será que os pássaros
Cantam na partida do dia
Porque será que um amante ausente
Fica de alma apertada, vazia?

Porque será que as ondas lamentam
Em sussuros de sal no areal
Porque será que as rezas são feitas
Para correr para o longe o perverso mal?


Boa semana


Doce beijo

claudia costa disse...

Fiquei , surpresa e muito feliz !!!!! que bom existem pessoas que colocam em prática as suas idéias para beneficiar as outras pessoas !!! PARABÉNS PELA INICIATIVA !!!!!

Braindmg disse...

Muito interessante. Quanto ao uso, não deve ser considerado agressão, e sim legítima defesa. O estupro é um ato desumano e merece sim, mesmo que de forma dura e dolorosa, uma sanção à altura, que se faz com a exposição pública do estuprador, quando vai fazer a retirada da camisinha.

Anônimo disse...

e se virar a camisinha do avesso