sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Morremos um pouco nessa hora... (Ludmila Rohr)

Querid@s leitoras e leitores deste blog, fiquei muito tempo sem postar. Ando em fase de mudanças, trabalho novo, cidade nova, enfim, muita correria e pouco tempo. Mas recebi esse texto em meu email  e não resisti a tentação de postá-lo aqui, com o link do blog de onde ele foi publicado; aliás, um blog que vale a pena visitar.
Espero que esse texto fale com vocês assim como falou comigo! Abraços a tod@s.


Uma mulher foi assassinada. Ela foi assassinada por alguém famoso. Ela só ficou famosa, por causa disso. 10 mulheres são assassinadas todos os dias no Brasil. No dia que Eliza foi assassinada, outras 9 também foram. Quem as matou, ninguém sabe. Quem são elas, ninguém saberá também. Eliza terá sua morte investigada, porque seu provável algoz é famoso, e não porque uma mulher foi assassinada.

Eliza era filha de alguém, ela era mãe de uma criança, ela era amiga, vizinha e colega de alguém. Ela agora é uma vadia. Tem sua vida sexual devassada. Tem sua sombra revirada. Procuram algo que justifique seu assassinato. Tudo isso porque, se Eliza foi assassinada é porque ela fez algo para merecer isso. Dizem: "Quem procura, acha."

A nossa sociedade é tão machista que acolhe bem esses crimes. As mulheres que são assassinadas são sempre vadias. Elas buscaram de alguma forma esse destino. Eram as amantes, ou prostitutas, garotas de programa e afins... Os homens usam essas mulheres e descartam. Eles podem fazer isso. Eles não serão julgados por sua vida sexual, aliás serão até bem vistos. Coisas de macho.Os homens podem ter a vida sexual que desejarem, não serão mortos por isso, mas as mulheres, se assim fizerem, merece o castigo maior...

Quando uma mulher é assassinada, estuprada, humilhada... .todas nós somos também. É o feminino que é mais uma vez ferido. É o feminino que é mais uma vez julgado e condenado. O feminino que é destituído do seu poder. Todas nós perdemos e somos feridas.

Tenho estado muito indignada com essa história. Ela não é uma história inédita. Nem precisamos pesquisar muito para encontrar vários casos mulheres mortas dessa mesma forma. Entretanto é preciso ficar indignado sempre. Não podemos nos acostumar com isso nunca.

Na China e índia, fetos de meninas são abortados. Em países africanos mulheres tem seus clitóris extirpados. Mulheres são espancadas por seus pais e maridos em todas as culturas e países. As mulheres são as primeiras a serem demitidas em tempos de crise. Os salários das mulheres é menor que o dos homens em funções semelhantes. Até pouco tempo, no Brasil, legalmente era aceitável um homem matar sua esposa, se sua honra tivesse sido ferida. Mulheres estupradas são acusadas de terem provocado seus estupros ao usarem roupas que atiçaram os machos..

Adoro ser mulher e adoraria ser mãe de uma. Entretanto, não tive filhas, só filhos. Amo saber que meus filhos cuidam bem de suas namoradas. Amo saber que meus filhos respeitam suas amigas, assim como me respeitam. Nunca ouvi meus filhos falando de forma desrespeitosa de nenhuma mulher. Acho que eu e meu marido conseguimos criar dois homens dignos que respeitam as mulheres, assim como respeitam a vida. Acho muito improvável que um dia um filho meu seja violento com alguma mulher, assim como penso que não seriam violentos com ninguém. Fico feliz por isso.

Estou triste. Uma parte de mim é Eliza agora. Uma parte de mim é a mãe dela também.

Algo em mim está chorando por todas nós que morremos um pouco nessa hora.

Ludmila Rohr
Fonte: http://mulheremcrescimento.blogspot.com/

12 comentários:

Ludmila Rohr disse...

oi Érica,

Que bom que vc gostou do texto e o publicou!
Precisamos mostrar nossa indignação. Entretanto fiquei surpresa, ao saber que meu texto anda circulando pela net, e que vc o recebeu por email...
que mundo pequeno esse mundo virtual...

bjos

Ludmila

Tito disse...

lindo o texto, as mulheres são as que fazem a diferença, devem ser mais valorizadas a cada dia

luciana disse...

adimito que não acho justo a forma como a mulher é tratada. muitas morreram pq a policia ignorou seus pedidos de ajuda ou entao o estuprador é solto pq ela se esfregou nele por MAs ser vadia. os homens precisam mudar essa mente.

quanto a eliza. Infelizmente não acato o que a mídia força. Não há corpo ainda e não acho justo prender alguem sem ter provas. Há muita contradição.

carol disse...

é incrivel como ainda existe pessoas q não valorizam , os otros em pleno século XXI! lindo post!

Macaco Pipi disse...

MORRA E VIVA DE NOVO!

http://doquequiserfalar.blogspot.com/ disse...

Oi Erica, parabéns, o seu blog é ótimo, você aborda e discute ótimos temas, o texto também é ótimp, leitura construtiva, e é incrível como a nossa mídia explora casos como esse na intenção de ganhar audiência e dinheiro.

"Quando uma mulher é assassinada, estuprada, humilhada... .todas nós somos também. É o feminino que é mais uma vez ferido. É o feminino que é mais uma vez julgado e condenado. O feminino que é destituído do seu poder. Todas nós perdemos e somos feridas." GENIAAAAAL...

Mas uma vez, parabéns.

Rodrigo Selback disse...

Putz cara a civilização evolui mas a violência contra as mulheres ainda é como na idade da pedra
isso é muito triste

Vaunei Guimarães disse...

eh verdade...uma pena o pais ser assim...!

http://vauneiguimaraes.blogspot.com/

The Boss disse...

Não discordo de que vivemos em uma sociedade machista nem um pouco, pois eu que sou homem, casado, vejo isto no dia-a-dia... Quanto a investigação, infelizmente caiu na mídia por se tratar de alguém famoso, mas a vida dela foi revirada porque isso faz parte da investigação, e a mídia não perdoa nada tbm. A violência contra as mulheres é um absurdo, são vítimas do machismo e ignorância, não somente as mulheres, mas a sociedade e geral, a violência no Brasil é triste. O pior é que vemos pouco se fazendo para combater a violência na sociedade.

http://www.nervozero.co.cc/

♥♥NaNnA BeZeRrA♥♥ disse...

Grandes verdades ditas aí... o machismo do "mundo machista" mostra o que convém..só virou notícia, por quem há nome de famoso no caso! Ou, porque a Globo não tinha outro caso "horrendo" (todo semestre tem um para repercutir e virar showzinho da mídia)! Aonde vamos aprar.

Triste com o bicho chamado homem!

beijo e um queijo

NaNnA BeZeRrA

M!sunderstood disse...

Super interessante, acho que nós mulheres muitas vezes somos desvalorizadas e esse seu texto me lembrou um outro texto que eu li hoje sobre agressão em mulheres no regime talibã

http://precisomeexpressar.blogspot.com/2010/08/mulheres-afegas-revista-time-2010.html

o link, caso queira ler...Acho que assim como disse em um comentário nesse texto que enviei o link, nós mulheres deviamos ser tratadas com o máximo de respeito e valor, somos nós que damos a vida, e esses homens machistas, maridos que batem nas esposas, assassinos, não tiveram mães não, eles só podem ter nascido de chocadeira, porque quem não respeita uma mãe não respeita à ninguém. Assim como aquela mulher em que você "homem machista e ignorante" bateu poderia ser a sua mãe ou irmã, ela pode ser a mãe ou irmã de outras pessoas. Esse mundo de hoje está realmente perdido.

Esse texto me fez refletir muito. Meus parabéns à autora e a dona do blog por tê-lo publicado, realmente muito bom.

Se puder, dá uma passada lá no meu blog

reflexo-da-alma.blogspot.com

abraços, m!sunderstood

Anne ." disse...

oi linda' adoro teu blog!
por esse motivo tens um selinho no meu blog! passa la :D

beijoo