quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Reexistência




Minha vida sempre foi resistência. Resisti aos maus-tratos, resisti aos abusos, resisti à violência,  resisti à intolerância, resisti ao preconceito, resisti ao desamor, resisti à falta de esperança, resisti à depressão, resisti a resistir tantas vezes...

Terminei o ano de 2017 dizendo que, em 2018, queria resistir menos e existir mais. Hoje tenho certeza  de que, para os próximos anos, se eu quiser  existir terei que resistir ainda muito mais.


Ontem fui, hoje sou e sempre serei resistência porque, para mim, viver é  reexistir a cada dia. O que me dá forças para seguir é saber que não estou sozinha,  porque tenho Oxum, Iansã, Yemanjá e Naña  a me guiar, ajudar, fortalecer e guardar.


Ora ie iê ô
Eparrei Oyá
Odoyá
Saluba Nanã



Nenhum comentário: